11 3050.6300
DRA. ANA LÚCIA BELTRAME • CRM-SP 97.198
GINECOLOGIA, OBSTETRÍCIA E REPRODUÇÃO HUMANA

O perigo do tabagismo na gravidez

As informações sobre os efeitos tóxicos do tabagismo são muitas nos dias de hoje e é muito difícil imaginar uma pessoa que desconheça os malefícios para saúde das mais de quatro mil substâncias tóxicas nocivas que o cigarro representa.

Mesmo assim, a estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) é de que, em 2030, oito milhões de pessoas morram por doenças relacionadas ao cigarro, caso o número de fumantes não diminua consideravelmente.

O cenário também é preocupante, quando falamos sobre tabagismo na gestação. Para ser ter uma ideia: 87% das fumantes que engravidam não abandonam o cigarro durante a gestação, como constatado em uma pesquisa realizada recentemente e publicada no periódico inglês Addiction.

Se essa informação, por si só, já é alarmante, o panorama se agrava mais quando adicionamos as mulheres que até conseguem dar uma parada no vício, mas o retomam em até seis meses após o parto, assim, aumentado a estatística para 94%.

O perigo do tabagismo na gravidez

Quais as consequências do tabagismo antes da gravidez?

Neste caso específico, como os métodos mais eficazes para parar de fumar são medicamentos, que são proibidos para quem se encontra no período de gestação, a recomendação dos médicos é procurar ajuda antes mesmo de começar a tentar a engravidar.

Uma grave consequência do tabagismo é a infertilidade. Ou seja, as mulheres que fumam possuem maiores chances de ter a menstruação irregular e, inclusive, ausência de menstruação.

A grávida que tem o desejo de fumar deve parar

Apesar de sabermos que nenhum vício é fácil de abandonar, a excelente notícia é que entre as fumantes grávidas, algumas delas conseguem abandonar os cigarros durante a gravidez usando somente a força de vontade. Porém, existem as exceções. Nesses casos, o recomendável é:

  • Consultar o médico que está acompanhando a gestante, que irá avaliar o grau do vício e definir o tratamento;
  • Buscar ajuda psicológica para entender a raiz do problema, como, por exemplo, a ansiedade, estresse ou mesmo depressão;
  • Buscar um grupo de apoio;
  • Nunca deixar de comunicar à família e ao companheiro, sem omitir o desejo de fumar por receio de julgamentos.

Fumo durante a gravidez

Quando comparada às gestantes não fumantes, pesquisas comprovam que fumar durante a gravidez aumenta consideravelmente as chances de parto prematuro, aborto espontâneo, nascimento prematuro, descolamento da placenta e maiores chances de complicação durante o parto.

Além disso, como a circulação de sangue nas pernas fica comprometida e há um aumento natural do risco de trombose venosa na gestação, o cigarro pode aumentar ainda mais as chances disto ocorrer, com a formação de coágulos dentro das veias. Esses coágulos venosos podem se fragmentar e causar embolia pulmonar na mãe implicando risco de morte para mãe e/ou para o bebê.

Já para o feto, que compartilha a circulação sanguínea com a mãe, a nicotina e o monóxido de carbono podem causar:

  • Baixo peso;
  • Morte;
  • Diminuição do calibre das artérias responsáveis por levar nutrientes e oxigênio ao feto;
  • Retardamento do seu crescimento;
  • Favorecimento de malformações congênitas, como, por exemplo, lábio leporino, além de complicações digestivas e respiratórias.

Tabagismo no período pós-parto

Infelizmente, muitas mães que abandonam o vício, mas desejam voltar ao peso anterior à gravidez, geralmente, voltam a fumar depois de dar à luz. Isso acontece porque o tabaco inibe o apetite e, consequentemente, contribui para a recuperação da forma.

O contato com a fumaça ou com o ambiente, onde as pessoas fumam, e próprio leite materno da mãe fumante, podem causar no recém-nascido e no bebê:

  • Infecções nas vias aéreas;
  • Diminuição da capacidade pulmonar e outras doenças respiratórias;
  • Elevação do risco de morte súbita,
  • Chances duas vezes maiores de ficarem doentes, se comparados aos filhos de mães não fumantes.

Sendo assim, todo o cuidado é pouco. Se você é fumante e deseja engravidar, repense seu vício e mantenha o foco na gravidez saudável.


Veja +


O perigo do tabagismo na gravidez
A importância da atividade física na gestação
Gestação e atividade física – Qual a relação?
Controle a pressão
Grávidas x imunização

<< Voltar