amniocentese

Muitas dúvidas cercam as circunstâncias da gravidez, que vão desde as condições da gestação à saúde do bebê e da mãe. Existem alguns exames para medir tais coisas, mas hoje focaremos um pouco mais na amniocentese.

Vamos lá?

O que é a técnica da amniocentese?

Este é um exame feito na gravidez que retira uma amostra do líquido amniótico (que envolve o feto, dentro da bolsa) da mulher.

Qual a finalidade da amniocentese?

Com o líquido, o médico pode avaliar as células do bebê e, as substâncias liberadas por ele, e com isso identificar certas condições clínicas fetais.

Desta forma, ao se ter acesso às células fetais consegue-se avaliar algumas condições evidentes nessas estruturas, como é o caso das síndromes cromossômicas (como a Síndrome de Down) e eventualmente algumas condições genéticas, inclusive realizar testes de paternidade.

A Amniocentese também pode ser indicada para a investigação de infecções congênitas fetais, onde se é possível identificar no líquido fragmentos do agente etiológico, como da toxoplasmose, rubéola e citomegalovírus.

Outra possibilidade da amniocentese é a avaliação da maturidade pulmonar através do líquido amniótico, para aqueles casos onde se estuda a interrupção da gestação antes das 36 semanas por motivos médicos.

Como funciona o procedimento da amniocentese?

Este é um exame geralmente simples, rápido e que não causa muito desconforto (a depender da sensibilidade de cada indivíduo), exceto por algumas cólicas ou pressão no local.

Dá-se com a paciente deitada e com o uso da ultrassonografia para descobrir a posição do feto e onde, na bolsa amniótica, pode-se inserir a agulha para extrair o líquido com segurança. O volume retirado é proporcional à idade gestacional, quanto mais precoce, menor o volume retirado, e que, em média de 48 horas, serão repostos pelo corpo.

Todo este procedimento, dura por volta de 15 minutos. Neste período, também, o médico é capaz de ouvir o coração do bebê e garantir, através de uma ecografia, que não houve complicações, como sangramentos.

Então, o líquido é prontamente enviado para o laboratório para ser analisado.

Geralmente, após o exame, é solicitado 24 horas de repouso relativo para evitar algum processo de sangramento uterino ou trabalho de parto prematuro. É recomendado também não levantar peso, fazer esforço ou ter relações sexuais nesse período.

Para as cólicas tardias, geralmente é prescrito um analgésico. É importante ainda que, pacientes com Rh negativo informem a sua condição previamente, para que seja providenciada uma vacina (imonuglobina), caso necessário, para que impeça problemas ocasionados pela incompatibilidade sanguínea materno-fetal.

Existem riscos para a mãe ou para o bebê?

Com o auxílio do ultrassom, a realização do exame ficou muito mais tranquila e certeira. Em raros casos a agulha pode entrar em contato com o bebê, mas geralmente não há grandes problemas decorrentes disso.

Nas investigações de cromossomopatias (Sd. de Down por exemplo), idealmente o exame é realizado entre as 16ª e 18ª semanas de gestação, período este posterior ao da Biópsia do vilo corial, realizada entre a 12ª e 14ª semanas e que é preferencialmente indicada nestas condições.

A coleta em idades gestacionais precoces aumenta o risco de rotura prematura das membranas e decorrente malformações de membros inferiores.

Para as mães é a mesma coisa, são descritos raros eventos onde que houve sangramento e alguma infecção, mas em casos extremamente isolados.

Descomplicou? Esperamos que sim! Questões envolvendo gravidez são sempre importantes e queremos facilitar seu entendimento. Ficou alguma dúvida? Comente aqui em baixo que logo, logo responderemos!