Segundo a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), entre 30 e 50% das mulheres acima de 30 anos apresentam miomas, que também podem ser chamados de fibromas ou leiomiomas.

A pergunta imediata que se faz é: será que estes miomas estarão relacionados a alguma dificuldade em engravidar ou podem prejudicar a gravidez? Na grande maioria das vezes, a resposta é não.

Estima-se que miomas uterinos são responsáveis por apenas 3% de todos os casos de infertilidade.

Os miomas são tumores benignos que se desenvolvem na musculatura do útero e podem ser classificados, de acordo com sua localização na parede uterina em:

– Miomas submucosos: surgem do lado de dentro da cavidade uterina; – miomas intramurais: desenvolvem-se na parede muscular do útero; – miomas subserosos: instalam-se junto a face externa da parede uterina, estes ainda podem ser pediculados: ficam pendurados na superfície externa uterina.

Dentre esses, os miomas submucosos estão relacionados à diminuição da fertilidade e devem ser retirados. Os miomas intramurais acima de 3 cm, já apresentam alguma evidência que podem também diminuir as taxas de gravidez e sua retirada deve ser considerada nos casos de infertilidade.

É muito importante que mulheres que tenham mioma façam acompanhamento médico regularmente e se informem sobre os efeitos do problema na gravidez.

Quer saber mais? Consulte um ginecologista de sua preferência!